Acontece Gramado

Sempre admirei essa época, até da pronúncia “anos 20”, precisamente os do século passado. A era fascinante que ascendeu a cultura e outros tantos pontos relevantes ao mundo que hoje vivemos.

Podemos dizer que nossa região, Gramado e Canela, nasceu lá. Enquanto o mundo descobria a liberdade artística em sua mais verdadeira essência, com Chaplin dando vidas aos charmosos cinemas e o Gato Félix fazendo nascer as animações, a arte tomando espaço na rotina das cidades e o rádio chegando ao Brasil, a Serra Gaúcha vinha começando a dar os primeiros passos em direção ao sucesso.

Por aqui, praticamente um povoado recém habitado por imigrantes europeus e moradores dos arredores, João Corrêa e José Nicoletti já focavam seus olhares empreendedores e visionários para começar o que seria uma das regiões mais turísticas do Brasil, com qualidade, diferencial e alcances mundiais. Possivelmente inspirados pelo período promissor do mundo, os dois nortearam a região a sua vocação mesmo que não tivessem esse intuito direto. Era o começo de algo grande, capitaneado pela coragem de criar e além disso transformar o que já havia ali em algo espetacular e promissor. Deu certo.

Pois bem, os novos anos vinte chegaram, mas o glamour da época fascinante daquele tempo ainda não se fez tão presente, no lugar um clima pavoroso embalado por ares apocalípticos protagonizados por uma pandemia que assola de forma ainda sem precedentes a humanidade.

Sim, é triste, difícil e desafiador, mas a boa notícia é: a humanidade vai sobreviver( ao menos espero) e não, não é a primeira vez que um desastres desses ameaça a nossa existência. Possívelmente, você saiba das outras pandemias que devastaram o mundo de maneira ainda mais drástica, e ai começo a ligar minha linha de raciocínio que tematiza esse texto. Os anos 20, eram nada mais do que a ressaca de um período de trevas causado pela assustadora gripe espanhola.

SIM ! Que surja a vacina que acabará com essa pandemia e levante o período fascinante dos novos anos vinte. Mas que lá ( que será ali tão logo) tenhamos a capacidade de ter tirado dos períodos escuros o aprendizado e quebrado o gesso que nos mantém imóveis em uma uma zona de conforto limitada. Espero que nessa década saibamos que em tudo há mais possibilidades. Ainda que sim comovidos e abalados pelas nossas perdas, devemos ter a persistência para lutar por um mundo mais legal. Sim, legal, no sentido de ser melhor, mais divertido, mais justo.

É possível nos reinventarmos e cedermos. Por exemplo, eu mesmo notei ao longo desses últimos dias alguns consensos exigidos pelo período de quarentena que são perfeitamente cabíveis a era pós-pandemica. Os exemplos são vários, cargas horárias menores, para que possamos como região fornecer mais VIDA aos nossos colaboradores do turismo. Hoje sabemos que fechar um dia a cada quinze não vai quebrar o negócio de ninguém, muito menos diminuir uma hora de expediente para que os trabalhadores vejam o sol em um horário livre. Muitos países já fazem isso e tem resultados bons em suas produtividades.

Filas e aglomerações não são legais, vamos pensar em fornecer experiências de qualidade ao nosso visitante, há formas. Eventos são fundamentais para o nosso turismo, eles precisam ser mais expansivos(saudações desfiles a céu aberto) e transpor limites em todos os sentidos. O seguimento de evento híbrido é uma tendência e isso deve ser observado.

Porque não um consenso de Gramado e Canela para criar ao menos uma vez no ano um evento intermunicipal que potencialize a circulaçao e ocupação das duas cidades e utilização de suas estruturas em conjunto?

É fundamental uma política pública pulsante e corajosa que nos direcione nesse “novo mundo”, e ainda mais fundamental que ela seja atenta ao dinâmismo em que vivemos. Vai ser através dela que vamos abrir caminhos para criar alternativas. Que nos possibilite não só a luta por direitos, como as mulheres fizeram na passada década de 20, mas também a possibilidade de criar alternativas a tudo, inclusive a nossa econômia. Vivenciamos na prática a necessidade de termos uma segunda matriz econômica grande na região para não sermos tão drásticamente atingidos quando houver problemas no turismo.

Vamos olhar para o nosso passado, levantar questões e nos cobrar, mas com uma visão no futuro, estamos carentes disso. Em 1920, João Corrêa trazia uma ferrovia para Canela e Gramado (era quase impossível o fato de um trem subir uma serra tão íngreme). Mais de 100 anos depois, no auge da globalização, onde adventos como internet são comuns e o poder de compra de nossos investidores são abrangentes, ainda temos quase como irreal a possibilidade de um aeroporto?

Em 1920, João Corrêa trazia uma ferrovia para Canela e Gramado

Precisamos de mais praças e parques para moradores, para que haja mais possibilidade de lazer com menos aglomerações possíveis, o transporte público pode ser repensado. O meio-ambiente é importante e podemos viver entre ele e não por cima dele. Notícias devem ser verificadas, bicicletas são possibilidades, lazer é investimento, solidariedade deve ser rotina, a vida é curta e não, não devemos ignorar os clichês.

Vamos superar, e vamos precisar nascer de novo, como região, como seres-humanos. Para que assim tenhamos a capacidade de escrever uma nova década de vinte fascinante, para que em 2120, alguém tenha em mente a nossa vivencia como fantástica, e acima de tudo como superadora.

Bem vindos aos novos anos 20, a construção depende de nós. Começamos!



Graduado em comunicação e técnico em Turismo e Eventos. Produtor, social media e marketing político.
@jaisonoremonti
[email protected]

4 comentários sobre “Estreia Jaison Remonti: Bem-vindos aos novos Anos 20!

  1. Ótimo texto, é disso que precisamos repensar nas possibilidades que nos cercam neste momento , concordo plenamente. Parabéns Jaison! ??

Deixe uma resposta