Acontece Gramado

“Você tem que aprender a levantar-se da mesa quando o amor não estiver mais sendo servido.” Aqui estou eu novamente, na ousadia de tentar falar com você e agora sobre esta frase da Nina Simone. Olha a ousadia, NINA SIMONE!!!

Tem documentário no Netflix e no Youtube (hoje a informação está na tua mão, use sem moderação), sobre ela que vale cada segundo, ainda mais se ainda tiveres empatia para entrar na história, será um encontro inesquecível. A maioria das mulheres vai se emocionar porque todas fomos Ninas Simones (este é o nome artístico dela, e o motivo pelo qual ela criou outro nome também é forte), o que não significa que os homens não possam se emocionar também, depende só do nível de empatia de cada um.

Estou escrevendo esta coluna ouvindo uma playlist dela, para que eu consiga beber na fonte e levantar esta pauta para ti, posso te dar várias dicas de música, tudo dela vale a pena.

Tive um professor de História que tinha um método de aula que vou tentar usá-lo agora. Nada mais do que pegar as partes e levantar a discussão. Espero que dê certo com vocês como deu comigo, na época.

“Você tem que aprender a levantar-se….” Vamos começar. Se quem está lendo conhece a história da Nina Simone, agora é a hora que aquela lágrima começa a querer aparecer. Já de cara ela está querendo coragem de você. E ela pode te exigir isso.

Como ter coragem¿ Como poderia inspirar coragem em alguém¿ Será que existe algum método para alguém absorvido pelo medo aprender¿
A descoberta da origem do nosso medo poderia ser uma primeira dose deste remédio. Autoconhecimento e autocrítica podem ser valiosos aliados, desde que bem dosados, lembremos que até água em excesso faz mal.

Seguindo: “…levantar-se da mesa quando o amor não estiver mais sendo servido.” O quanto você aguenta para pagar o aluguel, a faculdade e um chopp (no meu caso, taças de vinho) no fim de semana para fugir da realidade¿

O quanto de falta você aguenta na sua vida por migalhas de atenção¿ O quanto de desprezo você absorve para ter segundos de demonstração de carinho¿ Estou te provocando, porque ninguém, por mais bem resolvido em relação à coragem passa ileso por isso, sempre deixamos um tanto de sonho no caminho e sempre há dor.

Porém, por outro lado, é um ato de amor, não só porque nos libertamos, mas especialmente porque libertamos o outro. Não há amor sem reciprocidade, não há relação saudável em que você não se sinta especial e reconhecido, e você tem que aprender a levantar-se da mesa quando ele não estiver sendo servido.

E quando você fizer isso, vai tomar cada vez mais coragem.
Com amor, Karen.

P.S.: músicas que ouvi enquanto escrevia este texto:

  • Isn’t it a Pity,
  • Feeling Good,
  • Ain’t Got No, I Got Life,
  • I Put a Spell on You,
  • Just Say I Love Him e
  • How it Feels to be Free
Por Karen Dinnebier
“Comecei a trabalhar aos 14 anos porque queria ser independente. Entrei na faculdade de Comércio Exterior, depois mudei para administração, mas pelo 5º semestre abandonei. Fiz Moda na Perestroika e atualmente curso Sociologia. Tenho apreciações diversas, interesso-me por assuntos variados e parei de tentar encaixar-me e passei a aceitar que sou assim, fora do padrão e movida pela paixão.”
Contato: [email protected]

Deixe uma resposta