Acontece Gramado

Durante uma grande feira gastronômica, uma pequena empresa de vinhos da Serra Gaúcha fez um experimento com casais que teve um resultado, no mínimo, surpreendente. Ao chegar na estante o casal era cordialmente convidado a participar de uma pesquisa de opinião e, após sentarem-se confortavelmente, cada um recebia um taça de vinho para degustar e, então, expressar seu grau de satisfação.

Logo na primeira taça, o sommelier, anteriormente preparado para o experimento, passava as seguintes informações antes da degustação: Este é um vinho Cabernet Sauvignon Premium, produto de uma rara safra de altíssima qualidade, possui aroma levemente frutado, composto de excelente estrutura tanínica e foi envelhecido por dez anos. É um vinho premiado, considerado topo da gama e já recebeu o selo internacional de qualidade. Uma garrafa deste vinho custa em torno de R$ 490,00. As reações dos casais eram empolgantes: Simplesmente maravilhoso! Uma delícia! Fiquei toda arrepiada! O prazer e satisfação eram nitidamente percebidos no brilho de seus olhos e as notas sempre eram 9 ou 10.

Logo em seguida, era-lhes servido uma segunda taça de vinho e, antes que bebessem, era dito o seguinte: Este é um Cabernet Sauvignon basiquinho, produto de uma safra comum, mas de boa qualidade, aroma também levemente frutado, devido a sua baixa estrutura tanínica não pode ser envelhecido por muito tempo, tem apenas 2 anos. Não recebeu nenhuma premiação, mas tem o selo nacional de qualidade e uma garrafa custa R$ 49,00. As reações eram apáticas: Bonzinho. É bom também, mas não igual ao outro. Esse é mais ácido, ardeu minha língua. Não gostei. A nota máxima foi 6. O sommelier então revelava que eles haviam tomado o mesmo vinho nas duas degustações.

Duas reações completamente diferentes de uma mesma pessoa para uma mesma experiência! A explicação lógica é que nossas ações, reações e sensações estão diretamente ligadas à percepção de valor e significado que nosso cérebro dá ao momento, confirmando que o nosso comportamento, bem-estar e prazer podem ser, e são na maioria das vezes, frutos dos estímulos externos recebidos.

Assim acontece com as fake news. Elas são distorções de uma verdade com a intenção de causar uma reação em cadeia, tendo como base uma notícia real, urgente e com personagens reais de situações atuais e, por isso, ela se espalha com um praga que altera percepções dos indivíduos e causa reações devastadoras para a sociedade e, principalmente, para a imagem das pessoas envolvidas.

Especialistas sugerem que para se combater notícias falsas, devemos checar a fonte antes de repassar. Importantíssimo, todavia, prefiro acreditar que podemos ir além e desenvolver um controle natural das informações vindas de fora para alterar as sensações provocadas em nosso interior. Sim, mudanças simples como, por exemplo, decidir desligar a televisão e ir ler um livro; reduzir o tempo gasto nas mídias sociais; preferir assistir vídeos tutoriais a vídeos engraçados ou usar nosso tempo livre para fazer cursos online, podem alterar drasticamente a distribuição das fake news e, de quebra, desenvolver o indivíduo.

Pergunto a você: Se eu te entregasse ovos, farinha mofada, fermento vencido e limão e te pedisse para fazer um delicioso bolo de chocolate, você conseguiria? Com muito talento você produziria, no máximo, um indigesto bolo sabor limão azedo. Assim são os nossos comportamentos, não é possível ter uma mente positiva, leve e empolgada com a vida, tendo como ingredientes notícias ruins, tragédias, roubos, preocupações com crise e uma gama infinita de conteúdos fúteis que roubam nosso tempo. Elas entram pelos nossos olhos, ouvidos e se alojam em nosso cérebro para então produzir reações típicas de indivíduos negativos, pessimistas e até violentos. Não se engane, tudo que entra no seu cérebro vai sair um dia.

Não estou dizendo que temos que ser indivíduos desinformados e alienados, isso nos tornaria vulneráveis às manobras das mentes maldosas deste mundo, mas que saibamos dividir nosso tempo com conteúdos inspiradores e introduzir em nossa rotina conteúdos de valor capazes de construir as bases sólidas de indivíduos com poder pessoal, justos, autoconfiantes. Indivíduos capazes de diferenciar o que sentem de informações externas tendenciosas e com senso crítico positivo que amplia seu discernimento. 

Decida hoje mesmo instalar um filtro mental para tudo aquilo que entra em seu cérebro, se aloja em seu coração e molda seus comportamentos. Esta é a essência da Reeducação Positiva: escolher reduzir a interferência dos estímulos negativos e abrir espaço para o novo, o positivo e o edificante em nossas vidas. Nós temos esse poder.

Analista Comportamental, Life Coach, Monitor de Inovação da USJ e idealizador da Reeducação Positiva.
Um potencializador de indivíduos, equipes e resultados. 
Insta: @reeducacao.positiva
Site: www.reeducacaopositiva.com.br

Deixe uma resposta