Acontece Gramado

Sábado, começo da tarde, clima ameno em Canela, uma perfeita tarde de Dezembro de 1950. A pacata cidade já recebia seus turistas que desfrutavam do ótimo clima serrano e das belezas naturais da nossa região. Moradores locais descansavam logo após o almoço enquanto turistas rodeavam as dependências do Palace Hotel, um dos principais pontos de hospedagem da serra, quando de repente tem seu silêncio violentamente quebrados por um sonoro ruido de motor e vento cortado.

O contraste do poucos veículos antigos e pássaros voando se deu ao despontar no céu uma enorme máquina vindo com uma velocidade absurda em direção a cidade. Era nada menos que um avião de passageiros caindo em Canela apavorando e supreendendo quem por ali estava.

Era nada menos que um avião de passageiros caindo em Canela

A cidade parou, e não era para menos. Um avião de passageiros fez uma aterrissagem forçada na cidade, a manchete do jornal local: “URGE A CONSTRUÇÃO DE UM CAMPO DE POUSO EM CANELA.”

Hoje, quero convidar vocês a ver um lado específico dessa história por mais verídica, distorcida ou até mesmo irreal que seja. Entenderam na manchete do jornal a visão local de ver no problema uma demanda ? Convenhamos que o tráfego aéreo em 1950 não era tão intenso, ainda mais aqui, porém o fatídico acontecimento levou empresas locais e pessoas influentes a considerar tal potência mesmo que futura.

Os resultados vieram e, Canela se tornou, além do renomado destino turístico, uma das primeiras e menores cidades no estado a ter seu “Aeroporto”(hoje diga-se aeródromo). O local recebeu apresentações aéreas, celebridades e até presidentes e chegou recentemente a ensaiar uma breve operação comercial. Colocou Canela na rota aérea nacional e intensificou o projeto de um grande aeroporto regional que nasceu na década 90.

Minha sugestão de analogia está aqui, perceberam o quanto uma acontecimento adverso pode impulsionar algo ? Isso não serve somente para Canela, que sim precisa ter reavaliado diversas políticas que já estão defasadas, serve para nós como pessoas, como seres humanos. Tenho certeza que vai chegar ou já chegou na sua vida um momento de “pouso forçado”, onde algo não despontou como você queria e sua vida pareceu estagnada, as vezes até te deixando apreensivo ou apavorado.

No momento atual não é difícil vermos isso, estamos vivendo uma pandemia onde as políticas de isolamento são fundamentais para nossa saúde. Parece desesperador mas precisamos disso, precisamos simplesmente parar as vezes. Parar para repensar, para tomar fôlego, para ver coisas que na velocidade de bordo não viamos. Para crescer, para evoluir, para sobreviver.

É mais do que um “fique em casa”, é um replaneje, um reinvente, um recomece. E que não precise de uma quarentena para isso. Faça um pouso forçado na sua vida no seu dia de folga, no meio da madrugada, no final de semana ou até no seu intervalo de almoço, mas pense em você. Estabeleça planos de voo (metas de vida) e destino de chegada, mas sem esquecer de aproveitar a viagem, isso se não o mais importante é o fundamental, e considere que pousos forçados ou escalas fazem parte.

Naquele tarde de 1950, em Canela, 22 vidas foram salvas. Que tal uma pouso forçado para salvar a sua?

Graduado em comunicação e técnico em Turismo e Eventos. Produtor, social media e marketing político.
@jaisonoremonti
[email protected]

Deixe uma resposta