Acontece Gramado

O texto desta semana não era exatamente sobre este assunto, mas como 2020 não anda seguindo nossos roteiros…

Antes vou descrever sobre um vídeo do canal “Tempero Drag” apresentado pela Drag Queen Rita von Hunty que também é professora de literatura, cujo canal eu indico para quem gosta de ser desafiado a pensar além do que foi condicionado, em que ela relata sobre uma atividade que faz com seus alunos.

Conta ela que entra na sala por diversas vezes carregando livros e sai. Depois pede para que os alunos relatem textualmente o ocorrido. Simples né, só que não. Quando os alunos leem para seus colegas e professora notam que, embora tivessem vivenciado o mesmo evento, cada um descreve de maneira diferente.

Um assunto bem semelhante foi abordado na coluna da Letícia Rossa (sou fã também), porém vamos estender esta temática para nós que escrevemos e publicamos nossas opiniões indiscriminadamente.

A minha opinião é como eu vejo o ocorrido, sobre como uma situação me afeta, como ela mexe com os meus conceitos e preconceitos e quando externo isso evidenciou o que eu penso. E não há mentira nisso, mas é a MINHA visão sobre um fato real.

Dito isso, agora vamos discorrer sobre razão então? E aqui não tem como não adentrarmos no mundo da filosofia. Antes que o pessoal que não é de Humanas vire o nariz, já adianto que não vou aprofundar muito e antes de ser execrada pelo pessoal da Humanas, adianto que vou fazer jus ao propósito da filosofia. Tempos difíceis para quem quer transitar pelas pluralidades…

Bom, o surgimento da filosofia deu-se exatamente pela busca da verdade, da razão, por isso não temos como não citá-la. A filosofia é um caminho a ser percorrido, só depende do tanto que cada um já trilhou. Gostaria de compartilhar com você, assim como outros fizeram comigo e me possibilitaram pegar um atalho.

O início de tudo é sempre o questionar. Vou dar um exemplo hipotético, você lê uma informação:

“Esgoto a céu aberto no bairro Linda Lagoa”

Em seguida você lê esta informação sendo compartilhada com as opiniões:

“Para onde vão os nossos impostos?”

“Não é de hoje esta reclamação dos moradores.”

“Moro próximo ao local e o cheiro é insuportável.”

Nenhuma das opiniões que seguiram a informação contém mentiras, mas o que você faz a partir daqui é o que define o caminho pelo qual você já percorreu entre a busca da razão, da verdade.

Não tenho a pretensão de te dar a resposta, desafio você a procurá-la, assim como fazia Sócrates, o meu filósofo favorito, que acreditava que o conhecimento está dentro das pessoas (eu ainda escreverei uma coluna sobre ele).

E falando em pensar, encerro com uma frase do Jung, que não era filósofo mas psiquiatra e psicoterapeuta e que também contribuiu em muito para o que descobrimos questionando, diz ele: “Pensar é difícil, por isso as pessoas preferem julgar.”

“Comecei a trabalhar aos 14 anos porque queria ser independente. Entrei na faculdade de Comércio Exterior, depois mudei para administração, mas pelo 5º semestre abandonei. Fiz Moda na Perestroika e atualmente curso Sociologia. Tenho apreciações diversas, interesso-me por assuntos variados e parei de tentar encaixar-me e passei a aceitar que sou assim, fora do padrão e movida pela paixão.”
Contato: [email protected]

Deixe uma resposta