Acontece Gramado

Conta a mitologia grega que Jasão era descendente de uma linhagem nobre e que teve seu direito ao trono usurpado por seu próprio tio. Após a morte de seu avô que era rei e fundador da cidade de Lolcos, seu tio, Pélias, tomou conta do reino e, na tentativa de se livrar do sobrinho, prometeu a Jasão que iria restituir-lhe o trono se lhe trouxesse um certo presente: o Velocino de Ouro.

Velocino ou velo de ouro era a pele de um carneiro encantado que era guardado pelo soberano rei Eetes na cidade de Cólquida e, segundo a lenda, esse raríssimo artefato trazia prosperidade para quem o possuía. Adquiri-lo era uma missão praticamente impossível, mas uma condição para que Jasão honrasse sua linhagem.

Determinado, Jasão partiu então para Argos, onde construiu uma nau, reuniu uma tripulação de heróis para acompanhá-lo, que ficaram conhecidos como Os Argonautas, e juntos, após enfrentarem diversos desafios, chegaram à Cólquida.

Impressionado com a ousadia do rapaz, o Rei Eetes concorda em dar-lhe o artefato desde que Jasão cumpra uma sequência de complicadíssimas tarefas para conquistar o direito ao cobiçado objeto. Ele deveria arar um enorme campo de terra com dois touros que cuspiam fogo, depois disso semear dentes de dragão no terreno arado e derrotar os soldados enfurecidos que brotavam de cada dentre plantado e, por fim, matar um dragão que guardava o próprio Velocino de Ouro.

Depois de muito esforço e para surpresa de todos, Jasão conseguiu cumprir todas as tarefas, com a ajuda de Medéia, filha de Eetes, por quem Jasão se apaixonou e, em posse do Velocino, “brota no bailão” de Tessália para desespero de Pélias e reconquista seu trono. 

Essa história mostra o quanto ter um objetivo bem definido faz com que tenhamos motivação para realizarmos tarefas que podem parecer impossíveis de serem cumpridas. Tal clareza gera convicção e autoconfiança necessárias para agirmos hoje, trazendo mais significado para experiência do agora. Ao contrário, quando temos objetivos vagos, muitas vezes ilusórios, pouco fazemos e agimos com displicência, insegurança ou indiferença.

Ter objetivos claros precede algo precioso chamado visão – a capacidade de olhar além e enxergar o que os outros não conseguem enxergar.

Essa postura objetiva transparece  autoconfiança e será sentida, mesmo que inconscientemente, por todos que estão ao redor, contribuindo para que instintivamente abracem nossa causa e embarquem em nossa jornada.

A atitude convicta atrai aqueles que não estão muito certos de suas próprias convicções ou que não têm ainda uma opinião formada. Jamais ousarão te contradizer, pelo contrário, concordarão contigo, pois estará poupando-lhes o desgaste de pensar.

Muitos não sabem, mas formar uma opinião requer o consumo de mais energia do nosso cérebro e somos fisiologicamente programados a economizar energia. Concordar é economizar energia. Só gastamos energia naquilo que realmente consideramos importante para nós, em outras palavras, é mais fácil concordar e seguir ordens do que discordar e ter que sugerir novas soluções.

Quando você incorpora essa postura atrai seguidores, provavelmente aqueles que não estão muito dispostos a pensar e outros que têm a natureza de seguir em vez de comandar. A história mostra que quem tem seguidores é líder.

Além disso, ao possuir uma visão clara do que quer você desenvolverá algo precioso nos dias de hoje, a resiliência – capacidade de reconstituir-se após sofrer danos. Na linguagem pop seria se levantar após receber as porradas da vida. E isso, nós brasileiros, sabemos muito bem o que significa. 

Quem olha para o futuro não se prende ao passado, nem se apega demais ao presente. Quando se pensa grande, não se perde tempo com coisas pequenas como picuinhas de setor, disque-me-disse de vizinhança ou intriguinhas de grupos de whatsapp. Afinal, quem mira na lua, pode acabar acertando as estrelas.

Exercício simples – Escreva agora mesmo em um pequeno papel: Como eu quero estar daqui cinco anos. Então escreva o que é preciso fazer, mudar ou habilidades que deve adquirir para atingir aquele objetivo. Depois carregue esse papel na carteira.

Nota: Assim como Jasão, você é filho/filha de uma Grande Rei, é, portanto, um príncipe, uma princesa que foi privado de seu trono. O que você seria capaz de fazer para pôr as mãos no seu velocino de ouro?

Se curtiu deixe um comentário abaixo. Na próxima semana: O Sétimo Mandamento da Autoconfiança.

Analista Comportamental, Life Coach, Mentor de Inovação e idealizador da Reeducação Positiva.
Um potencializador de indivíduos, equipes e resultados. 
Insta: @reeducacao.positiva
Site: www.reeducacaopositiva.com.br

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: