Acontece Gramado

Olá Hunters,

Vamos continuar nossa serie especial sobre o 12º Festival de Cultura de Gastronomia de Gramado.

Mas antes vamos falar um pouco sobre os acontecimentos que marcaram o inicio do Festival.

No dia primeiro de Outubro se iniciou o Festival com uma cerimonia breve porém que causou grande impacto. Ao som do quinteto de cordas da Orquestra Sinfônica de Gramado iniciamos o Festival. Com fala emocionada e otimista das autoridades como Rafael Carniel, atual presidente da Gramado Tour e até mesmo do nosso prefeito, que em breves palavras colocou o quão este evento é importante.

O segundo dia de Festival já foi marcado com a entrega do prêmio de melhor chef, com júri formado por chefs e pessoas da região a chef ganhadora deste ano foi a Arika Messa com o prato “Texturas de cenoura e porco Moura” que levou a concha de cristal. Inclusive um lindo troféu produzido pela Cristais de Gramado.

Arika Messa

Atualizando os atuais acontecimentos do Festival vamos voltar para nossas oficinas.

Oficina 1: Chef Mamadou Sène – Truta recheada com presunto de parma.

Essa oficina se inicia com a receita mais complexa até agora apresentada durante o festival.

A execução do prato através de varias etapas, com cozimento em plástico filme e montagem bem complexa, foi demostrada com calma e maestria tornando o que talvez seria um pesadelo ao se ler a receita em um prato “fácil”.

O chef usou a copa que é produzida na colônia e os cogumelos regionais, além de demonstrar como estes ingredientes juntos combinam perfeitamente.

O chef não é brasileiro, porém sua calma ao falar torna cada segundo do vídeo convidativo e bem instrutivo.

A finalização do prato foi um grande destaque, com muitas cores e texturas. Lindo de se assistir.

Confesso que será um prato que faço questão de reproduzir.

Vou encerrar com uma frase que me chamou atenção durante o vídeo:

“As ervas são preciosas para comida, elas dão aroma, perfume e sabor!”.

Cozinha Experimental com o Chef Chef Mamadou Sene, SENAC – Truta recheada com presunto de parma ao molho de champignon (com traducao em LIBRAS). Foto Cleiton Thiele/SerraPress

Oficina 2: Chef Rodrigo Mylius – Canjiquinha com linguiça colonial e queiro serrano.

Com o mesmo chef que fez a pergunta “quem nunca dançou com o liquidificador?”. Rodrigo Mylius, que já apresentou duas oficinas pra gente (se você ainda não assistiu corre lá e se assisitiu basta ler os dois especiais anteriores) trouxe uma nova forma de se preparar a canjiquinha.

Quase uma feijoada a base de canjica. Não nego que assistir me deu água na boca.

O Chef Rodrigo já falou muito sobre isso, mas vale a pena repetir que usar ingredientes locais e de agricultura familiar valoriza nosso prato.

Literalmente apresentou um prato com 100% de produtores locais, desde a canjiquinha até os embutidos que entraram na preparação.

Cozinha Experimental com o Chef Rodrigo Mylius, UCS – Canjiquinha com Linguica Colonial e Queijo Serrano. Foto Cleiton Thiele/SerraPress

Oficina 3: Chef Toribio Malagodi – Descobrindo o Sorrentino.

Com uma simpatia sem igual, o chef Toribio Malagodi apresentou a todos o Sorrentino.

Chef que possui limitações auditivas apresentou a primeira oficina 100% em libras, que foi narrada para os demais.

Sempre sorrindo e simpático apresentou desde o inicio do preparo da massa fresca até a finalização do prato com produtos que ele mesmo escolheu um dia antes em um mercado local, ou seja produtos muito frescos e de produtores locais.

Demonstrou muito conhecimento quando explicou também a origem do Sorrentino, que é uma massa argentina e não italiana como a maioria pensava.

Na proposta de escolher produtos frescos e locais ele criou um Sorrentino caprese que vale a pena conferir em seu vídeo.

Cozinha Experimental com o Chef Toribio Malagodi, Engenho da Pasta -Descobrindo o sorrentino . Foto Cleiton Thiele/SerraPress

Oficina 4: Chef Endrigo Sedrez – Bolinho de batata recheado com costelinha de porco desfiada.

O nosso já conhecido Chef Endrigo, formador de muitos cozinheiros de nossa região, volta neste vídeo com uma receita deliciosa: o bolinho de batata.

Quem não gosta de um salgadinho frito? Eu adoro, então consegui sentir o gosto só de olhar.

O chef, sempre com muita didática, explicou processo por processo enquanto colocava a mão na massa. De forma simples e objetiva explicou desde a melhor batata para ser usada até o processo para cozinhar e dessalgar a costelinha.

E tivemos um bônus nesta oficina que foi a explicação da maionese sem ovo.

Sempre é muito interessante assistir as Oficinas do Endrigo e dá para se notar por que ele é um dos mais queridos formadores de cozinheiros da região.

Cozinha Experimental com o Chef Endrigo Sedrez, SENAC – A tradicao reinventada, bolinho de batata recheado com costelinha de porco defumado. Foto Cleiton Thiele/SerraPress

Se você não está acompanhando as oficinas, acesse, se inscreva e deixe o “sininho barulhento” para receber as notificações de novas oficinas.

Valem muito a pena!

https://www.youtube.com/c/FestivaldeCulturaeGastronomiadeGramado

Então Hunters. Muitas coisas já aconteceram neste breve inicio do Festival e muito ainda está por vir. Vale a pena conferir a programação nas redes sociais e escolher o prato que você vai se deliciar na próxima.

Não é segredo pra ninguém que tenho meus restaurantes queridinhos em Gramado e no dia 04 eu irei ter minha primeira experiência gastronômica do Festival. Alguém arrisca o palpite de qual restaurante eu escolhi?

Até a próxima caçada.

Formado em Gastronomia pela FMU (Faculdades Metropolitanas Unidas) em São Paulo

Deixe uma resposta