Dólar: R$ 5,45

Euro: R$ 5,84

Weather Icon
Gramado26°C, céu limpo
Search
Close this search box.
Cânions: Urbia fracassa em Cambará e prejuízo ao turismo gera protestos

Compartilhe nas Redes Sociais

Facebook
Twitter
WhatsApp

Os parques nacionais de Aparados da Serra e da Serra Geral foram concedidos à iniciativa privada em outubro de 2021. Quem assumiu foi a Urbia, uma empresa do Grupo Construcap, concessionária responsável pela gestão do Ibirapuera e parques espalhados pelo país.

Desde que a empresa assumiu a gestão, o acesso que antes era gratuito passou a custar R$ 97 por pessoa, mais estacionamento de R$ 13 para motos e R$ 20 para carros. 

Com isso, o turismo que já não estava em alta na cidade, praticamente acabou e a cidade vive às moscas. A revolta é grande há alguns meses, com empresariado e classe política mobilizados e protestando, e a Urbia irredutível, mantendo os valores praticados.

A situação está insustentável com o prefeito de Cambará, Ivan Borges, declarando recentemente que, “está todo mundo em uma ruim, com dificuldades financeiras. Diziam que o número de visitantes subiria de 250 mil para 1 milhão, mas caiu muito. Se ficar irredutível, vai quebrar todo mundo”.

Enquanto isso, a gestão dos parques não parece muito atenta à realidade e avalanche de reclamações de usuários, turistas, empresários, autoridades e moradores.

Moradores protestaram nesta terça. Foto: Paulo Ferretti

Na manhã desta quinta-feira, dia 14 de março, o diretor comercial da empresa, Samuel Lloyd, concedeu uma entrevista desatrosa ao programa Gaúcha Atualidade, da Rádio Gaúcha, em que justificou a falta de turistas culpando as condições das estradas e não os valores dos ingressos.

Questionado inúmeras vezes pelas apresentadoras Giane Guerra e Andressa Xavier o executivo insistiu com uma retórica de que as reclamações com os preços praticados são “caso isolado”, e que a culpa mesmo é das estradas que estão em péssimas condições desde os anos 90, mostrando estar desconectado da realidade em que o público deixa bem claro que não visita o local pelos preços praticados.

Ele também equiparou os preços aplicados pela sua empresa aos aplicados pelos atrativos de Gramado e Canela, por exemplo.

Fato é que a situação está insustentável e o modelo de negócios aplicado pela Urbia, específicamente em Cambará, não deu certo e já é um fracasso estrondoso. Nesta semana, no dia 12 de março, os protestos aumentaram com uma manifestação que saiu da Casa do Turista percorrendo vários pontos da cidade.

A comunidade de Cambará do Sul divulgou um manifesto, que expressa a insatisfação da comunidade em relação à gestão do turismo nos Parques Nacionais de Aparados da Serra e da Serra Geral. O documento critica a falta de diálogo, visão de longo prazo e estudos de viabilidade socioeconômica por parte da concessionária responsável. Destaca ainda que as ações da concessionária parecem privilegiar interesses comerciais em detrimento da preservação e valorização dos recursos naturais e culturais dos parques.

Em nota, a Urbia diz ter investido R$ 55 milhões em infraestrutura para visitantes, incluindo uma tirolesa, restaurantes e lojas. Disse, porém, que o estado das estradas de acesso aos cânions prejudica a viabilidade do plano de investimentos, citando “o impasse que está colocado entre União e Estado sobre a responsabilidade da recuperação” da RS-427. Sobre os planos, cita atrações como “skybike”, arvorismo, campings, além de passarelas e mirantes, ponderando que também precisam de autorização do ICMBio. Sobre preços dos ingressos, não sinalizou baixá-los, afirmando que o valor incentiva o turista a ficar e gastar no comércio local.

Jornalista – Editor e fundador dos canais Acontece Gramado
flavio@acontecegramado.com.br
Siga no Instagram: https://www.instagram.com/gramadoacontece/

10 respostas

  1. Soy Uruguayo. Estuve los primeros días de enero visitando el parque.
    Esta bien claro que los precios son altos. Una familia de 4 personas. Un montón de dinero.
    También es cierto lo que dice la empresa.
    El estado de las rutas es muy malo.
    Lo único bueno es el paisaje. ( Si las condiciones del tiempo lo permiten).
    El lugar es extraordinario. Ojalá lo puedan solucionar.

  2. As estradas são o problema diz Samuel, desde os anos 90. Interessante é que a redução de turistas aconteceu agora, após eles “cravarem a faca” nos ingressos. Samuel e o resto da turma dele, ” sem noção “.

  3. Sou morador da região metropolitana de POA e não conheço o local, gostaria muito de ir mas só pra ver o cânion, só ver , já seriam R$ 210,00, pra ver algo que a natureza criou ? Sério isso ? Se a empresa disse que investiu 55 milhões e não melhorou o acesso até o local algo tem de estranho e muito. Muito falatório para pouquíssimo resultado.

  4. Estive em dezembro, pernoitei em uma pousada , e sabendo do valor de 97 reais por pessoa e mais estacionamento, não fomos , estávamos em 12 pessoas, vergonha esse valor exorbitante

  5. As estradas sempre ruins, na década de 80 e 90 quase intransitáveis, portanto derruba o argumento do dono da empresa. Não vou com mais com essa cobrança de ingresso absurda. A cidade estava mostrando pujança, pois os herdeiros das sesmarias abriram mão das terras e começaram a vendê-las diversificando as culturas e exploração turística da região, antes pólo madeireiro. Vão destruir e liquidar o desenvolvimento. De Porto Alegre.

  6. Uma privatização absurda.. não pode acampar… não pode percorrer as trilhas ou descer o canion… este é um lugar destinado a aventura e uma ode a LiBERDADE… eu vivi isso, infelizmente não é possível mais proporcionar isso aos meus filhos ..bem diferente dos EUA e seus parques

  7. “Estava escrito nas estrelas ”
    Pois é , pra turminha que gosta de privatizações, bem feito. E essa região é cheia de bolsonaristas que apoiaram as decisões do ex presidente “bostonaro”, que privatizou tudo.
    Taí a resposta.

    1. Tinha de aparecer um imbecil útil e falar a besteira de sempre. Não se trata de qualquer governo, trata-se de uma empresa que está exorbitando nos preços do acesso ao parque. Quanto ao “bostonaro”, costuma ver as ações do seu querido [des]presidente? Poderíamos chamá-lo de “bostolula”, mas preferimos usar o seu apelido famoso: “ladrão”!

  8. Já visitei em duas oportunidades os cânions na época que era gratuita a entrada, não vale a pena visitar com o custo que esta sendo cobrado pois é mais proveitoso fazer por agencia de turismo a visita guiada que é muito melhor. Vou ir novamente em junho e não vou visitar os Cânions por causa deste custo elevado, vou fazer trilhas guiadas em propriedade privada.

Deixe uma resposta

Fique por dentro das notícias

Digite seu endereço de e-mail para fazer parte do nosso mailing e ficar por dentro de todas as notícias

Utilizamos ferramentas e serviços de terceiros que utilizam cookies. Essas ferramentas nos ajudam a oferecer uma melhor experiência de navegação no site. Ao clicar no botão “Aceitar” ou continuar a visualizar nosso site, você concorda com o uso de cookies em nosso site.

Espere um momento!

Assine nossa Newsletter e fique por dentro de tudo que Acontece

Não se preocupe, você será notificado apenas quando houver conteúdos novos em nosso site.

Ao clicar em “Assinar”, você concorda com nossa Política de Privacidade

Espere um momento!

Assine nossa Newsletter e fique por dentro de tudo que Acontece

Não se preocupe, você será notificado apenas quando houver conteúdos novos em nosso site.

Ao clicar em “Assinar”, você concorda com nossa Política de Privacidade